O NÓ CEGO ENTREVISTA:
 JUAN OJEA
 
Por Rene Schols

Artista plástico, argentino, atuou intensamente no circuito cultural desde o ano de 1974, quando iniciou sua carreira  artística em Buenos Aires, Argentina. Depois expor suas obras em renomadas salas de exposição, tais como, MAM em São Paulo e  Masp atuando como expositor ,organizador e júri da Trienal de Tapeçaria no Brasil , criou o Atelier Linha Cruzada. Neste período  exerceu intensa atividade como professor e criador de tapearias e tapetes artesanais, que muito aportou para o desenvolvimento do design do tapete nacional, criando tecidos para confecções e renomadas lojas de decoração, além de ministrar cursos  em  centros culturais e acadêmicos da cidade de São Paulo.                  
 Entrevista para o jornal NÓ Cego.
                     
                    1- Qual seu primeiro contato com a Arte?


                    De criança tinha um amigo de meus pais ,Paul Klaussman que 
                    morava numa ilha do Delta do Rio Paraná ,perto de Buenos 
                    Aires, ele pegava o barco de remo e saia pelos rios , 
                    pintando. Ele pintava paisagens  influenciado pelo 
                    impressionismo e uma vez por ano fazia uma exposição numa 
                    galeria de Buenos Aires. Ele me dava óleos e pinceis para eu 
                    brincar.
                    Talvez seja a influencia mais remota que eu lembre
                    Ah, com ele aprendi a observar.
                     
                    2-     Como voce chegou aos Teares?
                    Sempre tive atração pelas técnicas artesanais e a tecelagem 
                    chegou com Ana Foss, artista têxtil Argentina, em 1974.
  
                    3-     Qual e sua especialidade em Arte?
                    Basicamente a fibra. Durante muito tempo os artistas utilizaram 
                    da matéria, seja óleo, mármore, etc. para representar. A partir 
                    digamos dos anos sessenta  a matéria passou  a ser o tema em 
                    sim mesmo. A procura de criação de uma linguagem do próprio 
                    material com que se trabalhava. No nosso caso, a criação de uma 
                    linguagem têxtil era fundamental, que acontece com as fibras 
                    comprimindo ,puxando, a agressividade do sisal em confronto                  
                    com a suavidade da Lã
                               Nas minhas obras sempre explorei o volume, a luz a 
                    interatividade com o espectador 
                       
                    
                   4-     Você participou da Trienal de Tapeçaria. Conte como foi 
                    sua participação e nos de mais detalhes deste evento.


                    Na época da Primeira Trienal de Tapeçaria, no Museu de Arte 
                    Moderna de São Paulo, em 1976,eu  vi, mais estava recém      
                    chegando e não me inscrevi.
                    Na segunda trienal, mandei minha obra a Júri .Fui selecionado 
                    e expus uma obra chamada Convergência. Eram uma serie de 
                     faixas convergentes a um ponto e puxadas por um    contrapeso,

                    que mexendo nele variava a composição.
                    Já na terceira Trienal eu trabalhei na organização, junto com 
                    Norberto Nicola e Eva Soban.
                    Expus Paisagem sem titulo, que era uma instalação.
                    Participei Hour Concour  por fazer parte  da comissão 
                    organizadora e do Júri de seleção e premiação.
                    Na época eu era diretor do Centro Brasileiro da Tapeçaria 
                    Contemporânea.
                    Além da exposição, importantíssima por ser um encontro da arte
                    têxtil nacional, inserimos uma mostra de tecidos pré-colombianos, 
                    que de alguma maneira dava referencias a Tapeçaria 
                    Contemporânea.
                    Lamentavelmente a partir de 1984 o MAM de SP não conseguiu 
                    dar continuidade as Trienais.
                     
                    5-     Quais são os artistas que estão mais proximos de você e 
                    como eles te influenciam?


                    Eu fui influenciado por infinidade de artistas, mais 
                    particularmente na tapeçaria as influencias da Iugoslava 
                    Jagoda Buik e a polonesa Magdalena Abakanowits,no Brasil, sem 
                    duvida Norberto Nicola e Jaquez Douchez , os grandes motores 
                    da arte têxtil no Brasil.
                     
                    6-     Você já conhece quais partes de nosso Planeta? Tem 
                    viajado muito?

                    Bom, percorri toda América do sul, de Terra do Fogo a Equador, 
                    O Chile de Allende, A Bolívia de Torres e o Peru de Velazco 
                    Alvarado. Conheço também Estados Unidos e Europa.
                    Sinto falta de conhecer oriente

                    7-     Como foi sua experiência  no Atelier Linha Cruzada ?


                    Trabalhei durante 3 anos no Sesc Fabrica da Pompeia, do inicio 
                    do projeto, dando aulas nas Oficinas de Criatividade. Apos isto 
                    tentei desenvolver um produto, a famosa arte aplicada, peças 
                    artesanais que cumpram bem a sua função, que não pretendam 
                    obras de arte, mais com uma concepção estética.
                       De ai que surgiram os tapetes artesanais da Linha Cruzada.
                       Na época a referencia era o Kilim, varias pessoas estavam 
                    produzindo tapetes com desenhos de Kilim, que eu sentia não ser 
                    esse o caminho, não  e que não goste do kilim, mais em geral 
                    ,copia... terminavam sendo tapetes sem a força tribal do kilim 
                    e mais caros que os próprios.
                       Foi então que desenvolvi um tapete adaptando técnicas de 
                    tecelagem como tear com 4 quadros. Era importante conseguir 
                    solidez, por ser um tapete e não uma manta no chão.
                       Desenvolvi um desenho que tinha muita influencia da 
                    cestaria indígena.
                       Foi uma experiência que durou uns 6 ou 7 anos. Foi uma boa 
                    experiência.

                    8-     Porquê  Atelier do Tatu ? O que o Tatu tem a ver 
                    contigo? Nos fale chegou até ai.

                         Embora sempre fui urbano, em 1991 senti a necessidade de 
                    estar mais perto da natureza .Foi ai que comprei uma terra ,no 
                    que resta de Mata Atlântica perto de São Paulo, que passou a se 
                    chamar Sitio do Tatu.
                    Construí  uma marcenaria e tenho me dedicado ao design e 
                    execução de moveis. A madeira e outro material fascinante. E 
                    assim que surgiu o Atelier do Tatu.
                    Porque o tatu? ,bom algum nome tinha que ter, e como tinha 
                    muitas tocas...

                    9- Se pudesse dizer algo que todo mundo deste planeta 
                    ouvisse, o que diria?

                    .Uy! Olhando pelas janelas estou vendo 360graus de floresta.
                    Seria muita prepotência esperar que o mundo me escute dizendo
                    Preservemos a natureza
                    Pensemos em como resolver o problema de nosso lixo
                    Trate aos outros como gosta de ser tratado
                    Mais posso falar com meus vizinhos
                                       
                     10-  Deixe uma mensagem para os leitores do No Cego, que  
                    são também sócios do Pequeno Museu da Tecelagem.

                    .Bom, já por ser leitores e sócios temos muitas coisas em 
                    comum ,o gosto pela tecelagem, a procura de informações. 
       
                   Não  tem nada mais incrível e paradoxal que em pleno mundo 
                    globalizado, se utilize justamente a Internet, que e um pouco a 
                    ferramenta da globalização para resgatar o artesanal ,técnicas 
                    antiquíssimas e as particularidades regionais.

 

.