Notadamente tive sua grande contribuição nos trabalhos que desenvolvemos em conjunto para o Centro Brasileiro da Tapeçaria Contemporânea , e na III Trienal de Tapeçaria do Museu de Arte Moderna de São Paulo ,sob minha presidência , onde compusemos a Comissão Organizadora e o corpo de Jurados para a seleção e premiação das obras apresentadas.

Seu trabalho é desenvolvido no campo das Artes Plásticas e respectivo ensino , e sua permanência nesta cidade de sua eleição certamente trouxe e trará uma contribuição efetiva para o desenvolvimento dos movimentos artísticos no Brasil , especialmente na área da Tapeçaria de Arte.

                                                                                                                              Norberto Nicola

 

 

 

Tenho o prazer de apresentar Juan Ojea , que desempenha a vários anos um papel importante no campo da Tapeçaria Brasileira

 

                                                                                                                               Jacques Douchez

 

 

 

Hoje , estreitamente ligado a linguagem dos fios e das fibras ,o mais marcante na obra de Juan Ojea foram os seus “móbiles têxteis”,composições espaciais em estreitas redes,terminadas por contrapesos , jogando com elementos como a livre interferência , jogos de luz , transparência e superposição.

Aberta , dinâmica ,inovadora ,a Artetextil de Juan Ojea ao mesmo tempo que se depura , se aproxima cada vez mais do público , renovando o milagre da comunicação a traves de um outro nível de contato.

 

                                                                                                                                     Rita Caurio

                                                                                                                       No livro Arte Têxtil no Brasil

 

 

Uma obra que despertou meu interesse e curiosidade foi Convergência , de Juan Ojea.Este trabalho,que solicita a participação do espectador , constitui-se de faixas tecidas,coloridas,suspensas por um contrapeso.Ao manipula-lo, o visitante cria novas composições.Dependendo da pressão maior ou menor,as faixas movimentan-se alterando a imagem primeira,proporcionando outras.

Sem ser necessariamente uma obra cinética,é induvitavelmente uma proposta a ser revista , estudada e desenvolvida.

 

                                                                                                                               Carlos Von Schmidt

                                                                                                                           O Estado de São Paulo

 

 

Com um approach totalmente diverso,Juan Ojea , trouxe para a Ia Mostra de Arte Têxtil,duas propostas diferentes.Na primeira , fiel ao cinetismo desenvolvido na 2ª Trienal de Tapeçaria do MAM paulista , elabora tecidos em que a levesa da trama,a transparência das urdiduras,permitem a traves de superposições de imagems reais e irreais,um jogo ,em que a afirmação e negação se contrapõem.

                                                                                                                              Carlos Von Schmidt

                                                                                                                               Folha de São Paulo

 

 

 

Nesta mostra , entretanto,Há algumas participações importantes e mais completas:

Abraham Palactinik,com um jogo de quadrado interessantíssimo;Tomie Otake com um circulo bicolor onde o participante pode evoluir;há o trabalho severo e sonoro de Leon Ferrari ; Guto Lacaz com objetos na linha dadaísta ; Eva Soban e Juan Ojea com um espaço de sensorialização e Grupo Posição com magníficos animais imaginários .

Há ainda certamente outras participações.Contudo,parece-me estas são capazes de sintetizar o que de melhor tem esta exposição.

 

                                                                                                                             Jacob Klintowitz

                                                                                                                          O Estado de São Paulo

                                                                                                  Sobre a exposição Mostra da Escultura Lúdica no MASP  

 

 

 

 

Os aplausos ficam mesmo para Sabina de Libman,da Galeria Arte Aplicada,ela acabou realizando a criativa Mostra da Escultura Lúdica ,com as precenças marcantes de Leon Ferrari , o melhor artista da mostra,Cleber Machado,Lucia Fleury, Ivald Granato ,Grupo I.A.M.,Jose Roberto Aguilar ,Tomie Otake,Eva Soban e Juan Ojea

                                                        

                                                                                                                    Alberto Beuttenmüler

                                                                                                                         Revista Visão

                                                                                         Sobre a exposição Mostra da Escultura Lúdica no MASP  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vigor visual em Juan Ojea 

 

Os três trabalhos apresentados por Juan Ojea dialogam entre si não apenas pelas formas orgânicas, mas pelos assuntos que são levantados na forma de interagir com o material. A preocupação essencial é se manter sempre atento ao poder inerente de cada suporte como forma de denso entendimento daquilo que acreditamos ser real.

A metáfora dos cipós auxilia a construir um universo de significados que se encontra na concepção de que, assim como um cipó, a arte funciona quando leva a reuniões e discussões agregadoras. Isso significa que cortar um cipó é uma maneira de machucar a floresta e levá-la para o fim.

Essa metáfora ajuda a conhecer melhor como Ojea dá às suas esculturas uma dimensão humana, algo atingido muito mais pelo que existe nelas de visceral e autêntico do que por uma postura meramente formal e mais preocupada com o discurso do que com a ação.

Efeitos estéticos dos cipós e seu parentesco com casulos gigantes, além da denuncia da falta d’água no planeta, levam a uma reflexão sobre o papel do artista. Tal qual cipó, um criador visual pode unir a floresta. Juan Ojea dá, assim, a cada obra o vigor visual que poucos textos escritos podem atingir.

                                                                                                                           Oscar D’Ambrosio

                                                                                     Curador da exposição Florestas - Memorial de America Latina

   

   Os livros de madeira de Juan Ojea sinalizam exatamente para esse processo tão complexo de cristalização do conhecimento. A história oficial que está nos livros, por exemplo, nem sempre dá conta, por razões ideológicas, é claro, daquilo que pode ter ocorrido.

 

Nas interpretações, os fatores são de tantas ordens, que não raro se sente que se está a ler um livro de madeira, pela dureza das posições ou pelo peso de notícias às vezes vistas sob uma óptica apenas. Curiosamente, a madeira, material nobre em sua essência, alerta que toda leitura deve ocorrer com muito carinho e bom senso.

 

Juan Ojea mostra que os livros se acumulam um sobre o outro como colunas a nos desafiar. Deglutir 200 anos demanda ter a mente pronta a captar informações e retrabalhá-las de modo que cada pensamento que profiramos seja novo, mas tenha embasamento, num jogo em que passado, presente e futuro convivam no espaço.

                                                                                                              Oscar D´Ambrosio

                                                                              Curador -Exposição 200 anos –Memorial de America Latina

Entrevistas